segunda-feira, 11 de março de 2013

Cinema


Olá! Eu sou Bruno Brigo e, a partir deste post, a convite dos membros originais do blog, ficarei responsável por compartilhar alguns textos sobre cinema com vocês. Como sugestão do próprio Marcelo Oliveira, começarei minha participação com uma breve história do Cinema (breve mesmo, já que estes mais de 110 anos de história poderão ser melhor  tratados ao longo de futuras postagens.)


Durante toda a segunda metade do século XIX muitos buscavam uma forma de reproduzir o mundo real em movimento a partir da sucessão de fotografias (invenção reconhecida em 1826). Em 1895, os irmãos Lumière fizeram, depois de muitos testes, a primeira exibição pública de uma sequencia captada através de sua invenção, o “Cinematógrafo”, um aparelho que fotografava imagens em sequencias  dando a impressão de movimento, possibilitando a reprodução deste filme em telas grandes. 

Arrival of a Train at La Ciotat (The Lumière Brothers, 1895)




O filme exibido foi a chegada de um trem a uma estação. Fora toda a lenda acerca desta primeira exibição (pessoas gritaram de medo, saíram correndo do local, acreditando que o trem realmente estivesse invadindo a sala), as posteriores apresentações se tornaram populares em feiras de novidades. Entretanto, estes rolos exibidos pelos irmãos Lumière, além de curtos, tratavam do simples cotidiano (funcionários saindo de uma fábrica, uma família tomando chá, entre outras trivialidades, sem qualquer roteiro ou intervenção humana na obra). Os próprios inventores previam que o cinema era uma obra sem futuro, vendo a queda do interesse do público pela “novidade”.

Contudo, um ilusionista assistiu a uma das exibições dos Lumière e viu a máquina como uma ferramenta fantástica para o entretenimento público. O também francês Georges Meliès  usou e abusou de truques e cenários para criar suas ilusões em seus filmes, além de criar roteiros elaborados e histórias com a narrativa clássica, com “começo, meio e fim”. Meliès foi o responsável pelo primeiro filme de Ficção Científica do cinema (na minha opinião um dos filmes mais lindos já feitos!): 

A Trip to the Moon - Viaje a la Luna - Georges Méliès 1902


Assim, podemos dizer que o cinema tem vários pais: Os Irmãos Lumière inventaram a máquina, mas Meliès conseguiu transformá-la em magia, transportando os muitos sonhos para a tela, criando a ficção, além de outros realizadores, cujas contribuições foram fundamentais para o cinema que conhecemos.



P.S.:  Caso alguém não tenha esta informação ainda, os filmes dessa época não possuem 
som e nem coloração. Qualquer outra versão com adição do áudio e da coloração é posterior a produção original.

Bruno Brigo

Nenhum comentário:

Postar um comentário